Pesquisadores descobrem anticorpo que impede infecção do coronavírus

Uma equipe de pesquisadores identificou um anticorpo monoclonal humano que impede o vírus SARS-CoV-2 de infectar as células.

A descoberta foi publicada na revista Nature, é um importante ponto de partida para o desenvolvimento de um tratamento contra a doença causada pelo novo coronavírus.

A pesquisa é baseada em trabalhos anteriores que a comunidade científica desenvolveu sobre anticorpos direcionados contra o vírus SARS-CoV de 2002, diz o líderes do estudo, Berend-Jan Bosch, pesquisador da Universidade de Utrecht.

A aplicação terapêutica adotada pelos pesquisadores baseia-se na crença de que “esse anticorpo neutralizante tem o potencial de alterar o curso da infecção no hospedeiro infectado, apoiar a liberação do vírus ou proteger um indivíduo não infectado exposto ao vírus”, diz o doutor Bosch.

Anticorpo “completamente humano”:


Frank Grosveld, outro coautor do estudo, explicou que “o anticorpo identificado neste trabalho é completamente humano, o que permite um avanço mais rápido no desenvolvimento de pesquisas e reduz o potencial de efeitos colaterais relacionados ao sistema imunológico”.

” E é que, em geral, os anticorpos terapêuticos convencionais são desenvolvidos primeiro em outras espécies e, em seguida, passam por tratamento adicional para adaptá-los para uso em humanos, o que seria desnecessário nesse caso. Ou seja se economiza tempo e dinheiro.

Essa descoberta fornece uma base sólida para futuras pesquisas para caracterizar esse anticorpo e iniciar seu desenvolvimento como um possível tratamento para a covid-19 “, observou Grosveld.

No entanto, como disse o CEO da Harbor Biomed , Jingsong Wang – uma das empresas envolvidas na pesquisa – “é necessário muito mais trabalho para avaliar se esse anticorpo pode proteger ou reduzir a gravidade da doença em humanos”. De qualquer forma, ele está otimista: “Acreditamos que nossa tecnologia pode contribuir para atender a essa necessidade urgente de saúde pública e estamos procurando outras vias de pesquisa.

Além de pesquisadores da Universidade de Utrecht e da empresa biofarmacêutica Harbour BioMed, cientistas da Universidade Erasmus, com sede em Roterdã (Holanda), também participaram do estudo.

Comente